terça-feira, 15 de março de 2016

Razão e Sensibilidade

'Heroínas de Jane Austen'



Ler um clássico já é motivo de alegria. Agora ter um grupo tão especial quanto o 'Heroínas de Jane Austen' é alegria em dobro.
Começamos nossa jornada pelo mundo 'Austen' com o livro Razão e Sensibilidade, escrito em 1795, mas publicado em 1811. Jane Austen tinha apenas 20 anos.
A história é da família Dashwood, mais propriamente as irmãs Elinor e Marianne, seus relacionamentos, conquistas, amores e frustrações.
Jane faz criticas pesadas a sociedade da época, mesmo sendo jovem ela consegue se sentir incomodada, com a situação da qual a mulher é condicionada a viver.
No inicio da historia a escritora já nos mostra quem é quem, quando tem herança em jogo. 
Com a morte do Mr. Dashwood, Elinor, Marianne, Margaret e Mrs Dashwood são literalmente expulsas de casa, pelo filho do primeiro casamento de Mr Dashwood. Manipulado por Fanny(sua esposa), John não cumpre a promessa feita para o pai. 
O privilégio da herança vai sempre para o primeiro filho, assim Jane Austen já começa a mostrar as dificuldades de ser mulher. 

A preocupação de toda mãe para arranjar bons casamentos, se tornava um hábito comum. No livro isso é bem claro e lógico a família do rapaz também ficava de olho nas belas moças, principalmente se o dote era bem farto.
Austen através de suas duas principais personagens Elinor e Marianne, nos mostra as 'fraquezas' de expor seus sentimentos e também mostra o quanto uma mulher pode ser racional. Nos dois pontos a mulher sofre, porque tem sempre que abrir mão de algo.
O papel  de Mrs Dashwood  (mãe)  é de uma mulher fraca, sonhadora e tola, assim como Marianne. Elinor a filha mais velha que toma algumas posições diante dos empregados, da casa, se mostra bem mais madura.
Certos personagens são  arquétipos de como a  sociedade se comportava. Tudo regado a fofocas, casamento infeliz, interesses e mais interesses. Sir John Middleton (rico) , Mrs. Jennings (a alcoviteira)  mãe de Lady Middleton (reservada) e Charlotte Palmer (a tola).

O marido de Charlotte Palmer, o Senhor Thomas Palmer é a figura do político da época , deseja alcançar o Parlamento e sua figura é rude e bem preguiçoso. 
Já a família Ferraz tem uma mãe preocupada que seus filhos se casem bem, Mrs Ferraz é uma mulher muito antipática. Tem 3 filhos Fanny (egoísta e ambiciosa) casada com John Dashwood (avarento), Edward o filho mais velho, tem alguns segredos, é super tímido e se apaixona por Elinor. E Robert o mais novo, este é a sociedade em pessoa, só se preocupa com status e sua aparência, quando menos  se espera passa a perna na família.
Coronel Brandon é o amigo, pessoa centrada e polida, também tem seus segredos e apaixonado por Marianne. Este personagem mostra que a Inglaterra estava em guerra, pois sua figura deixa claro. Austen é muito sutil sobre este assunto. Motivo de reflexão para mim.

Já John Willoughby é demonstração do jovem da época, aproveitador do dinheiro alheio, galanteador, dá falsas esperanças as donzelas, mas também pode se apaixonar e se decepcionar.
Anne/Nancy e Lucy Steele são irmãs e todas com a mesma intenção fazer bons casamentos. Típicas mocinhas de uma sociedade que induz a mulher se achar fraca e sem condições de trabalhar para seu próprio sustento. São tolas, manipuladoras e Lucy é astuta e oportunista.
Há outros personagens secundários que também nos mostra  a fraqueza, interesses, malícia, segredos e alguns são vítimas por serem ingênuos ou por serem proibidos de viver conforme seu coração.


Assim tudo acontece em compromissos sociais, bailes, visitas, chás da tarde, jogos de carta, cavalgadas, compromisso à Paróquia, principalmente entre as mulheres. Estas em uma posição passiva e submissa.
E não poderia faltar o humor ácido desta amada autora.
                                                                                                                                                                             By Nice Sestari


Visite os blogs das heroínas: Patricia 
                                                  Ale Dossena 
                                                  Marcia

Outras obras de Jane Austen aqui: Mansfield Park / Orgulho e Preconceito
Novelas Inacabadas
                                                                                                                                                                              

Um comentário:

  1. Adorei a resenha , mostra bem a complexidade de um romance que de água cm açúcar, não tem nada!
    Bjs,

    ResponderExcluir