sábado, 18 de junho de 2016

Emma



 Heroínas de Jane Austen



Emma, Emma, Emma... 
De início nossa amada Jane Austen descreve a protagonista desta forma: "Emma Woodhouse, bela, inteligente e rica, senhora de uma confortável mansão e de excelente disposição de espírito, parecia congregar em si algumas das melhores bênçãos da existência e vivera cerca de 22 anos num mundo em que quase nada havia que pudesse perturbá-la ou aborrecê-la." (Emma - Nova Fronteira/Saraiva)

Emma já possui um grande diferencial das outras protagonistas, como em Razão e Sentimento, Orgulho e Preconceito, e Mansfield Park, da qual todas eram pobres ou passavam por privações financeiras.

Visto isso, já ficaria pensando, “nossa uma mocinha rica, quantas coisas ela poderia fazer, viajar e nos apresentar lugares incríveis, peças de teatros, organizar bailes do mais alto requinte...” Só que não...


Emma era uma mocinha mimada, 'alcoviteira' e fútil. Austen nos surpreende mais uma vez, sem deixar de lado seu humor ácido e de falar das dificuldades da mulher na sociedade. Penso que Emma vem para 'satirizar' todas as convenções e condições da mulher sobre o matrimônio.


Na sinopse do livro da Martin Claret diz assim: "Jane Austen brincou com seus leitores dizendo que Emma é o tipo de 'heroína que ninguém, além dela própria, iria gostar muito.' Entretanto, ela é irresistível, dona de uma personalidade singular e capaz de despertar no leitor o amor e o ódio ao mesmo tempo."

Emma brinca com todos a sua volta, como se brincasse de bonecas, em que cabe a ela, quem fica com quem, não se preocupando com os sentimentos alheios.


Porém, passa de lagarta a borboleta, e percebe que não é o centro da vida de ninguém, reconhece seus erros e vai amadurecendo. Ela tem um amigo, que seria o ’grilo falante’, quero dizer sua consciência, o Mr. Knightley, que vai delicadamente colocar Emma nos trilhos. Antes que me esqueça, Mr. Knightley, é de um coração nobre e de uma paciência sem igual.
 
Austen faz a obra parecer uma colcha de retalhos, em que vai tecendo cada um dos personagens, apresentando com grande maestria; todos são bem construídos e de forma delicada, vão se envolvendo e nos faz perceber as qualidades e fraquezas de cada um.


Algo que me chamou a atenção foi a importância das cartas recebidas. Isso era motivo de especulações, fofocas e confusões. Acredito que seria o facebook de hoje. Um repassa a mensagem e todos dando seu parecer, sua maneira de olhar os acontecimentos, coisa de louco. Bastava uma carta chegar para se achar assunto e expectativas.

Foi uma leitura lenta e monótona, mas valeu só por ser Jane Austen!! Há muitos leitores que amam Emma.

Eu fiquei com a turma de leitores que a odeiam! 

E você ama ou odeia Emma? 

Dá uma espiadinha no blog das Heroínas: Ale Dossena
                                                                         Patricia Dias
                                                                         Marcia
                                                                         Leila Cardoso
Boa Leitura!!! 

Veja também:  Mansfield Park
                           Razão e Sensibilidade
                           Juvenília



2 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Eu de novo!!! Hahaha! Pior amiga, que não lembro o que escrevi no comentário anterior...kkkk. Só sei que eu não amo nem odeio a Emma, porque acho que ela repensou seus defeitos e tomou ciência que precisava melhorar. Afinal ninguém é perfeito né? Tem o meu crédito! =) Beijos!

    ResponderExcluir