sábado, 15 de fevereiro de 2020

O Homem Que Se Tornou Deus #5

Olá Viajantes!
Mais um desencalhou! Fizemos uma viagem com Gerald Messadié, ele nos conduz para Palestina, num caldeirão de brigas religiosas, ideologias políticas e filosóficas.
 O autor nos leva a conhecer o pequeno Jesus, nascido da jovem Maria. Um adendo: achamos muito delicado a maneira como ele conduz essa parte da história.

Maria casou-se com o velho José; o que não foi muito do agrado dele, mas para que a moça não ficasse na boca do povo, o casamento se realizou.

Fatos conhecidos na Bíblia sobre Jesus é contado de maneira bem humana, porém de uma forma bem escrita e nada agressiva.

O jovem vai observando tudo a sua volta e a opinião de seu pai José conta muito nesta avaliação. Jesus passa a questionar a religião no comportamento social, vê claramente a hipocrisia, má intenção, inveja, ganância e o jogo de interesses.

Depois que seu pai morre, Jesus faz sua jornada pessoal, fica de frente com outras culturas e formas de pensar. Encontra-se com a doutrina budista, a religiosidade dos essênios, o pensamento grego, as artimanhas e agressividade dos romanos, a maneira e religião dos egípcios. Porém seu maior aprendizado são com os excluídos, pobres, ladrões, cortesãs, enganadores da fé, entre outros. 

Jesus percorre seu caminho e entra em grandes conflitos internos e externos, passa de um simples desconhecido, para o tão esperado 'Messias'.

" ... todas as casas ao redor fervilhavam de notícias segundo as quais o Messias havia chegado à Galileia...
No palácio de Herodes também boatos circulavam... toda a Jerusalém discutia sobre o Messias. Mais uma semana e era toda a Judeia. Não era tanto que as pessoas dessem fé à noticia de que o Messias estava na Galileia, mas era porque esperavam confusamente que a notícia mudasse suas vidas. A esperança, a crença, a animação se transformaram em uma agitação que os espíritos sensíveis notavam, principalmente no Templo." pg 349

No caminho encontra pessoas que desejam segui-lo e acreditam no seu poder 'divino'. Porém, o autor sempre deixa claro que ele é apenas um homem, e a cada 'milagre' há uma explicação bem concreta.

Numa época em que o povo estava cansado de sofrer nas mãos dos romanos, desenganados com os doutores da Lei e com a necessidade de ter um messias, Jesus e tantos outros eram vistos como o grande 'salvador'.

João Batista faz parte desta história de uma forma ímpar, mesmo de forma secundária, nos mostra o quanto influenciou nos pensamentos de Jesus.

"... murmurou João.  - Sua volta é, para mim, um alívio tão grande! Pensei em você todos estes anos! Não conheço mais ninguém!
_ Como? Explique-se melhor.
_ Ninguém que possa pôr fim às trevas.
_ E por que eu?
_ É um sentimento invencível. Já encontrei fiéis ardentes e almas sem mácula, mas você não se assemelha a ninguém. Você é semelhante a tudo que é realmente providencial e isso parece perfeitamente natural. Não poderia pensar que você não existia. Nem o mundo sem você. Você deve ser o Messias." pg. 255

O que mais nos impressionou, foi a forma política e de interesses dos doutores da Lei e dos governantes romanos. A manipulação de interesses leva o povo ao extremo, tanto nos pensamentos religiosos e no desespero de um mundo melhor. Alguns até acreditando que o fim do mundo está próximo.

Já os discípulos de Jesus, nesta obra, não passam de fracos e as vezes ingênuos. Tirando João, que amava de tal forma Jesus, era o mais questionador, inteligente e perseverante. Judas realmente não muda muito daquele que lemos nas Escrituras. José de Arimateia e Nicodemos tem uma participação bem significativa na vida e, porque não dizer, na morte de Jesus.

A teoria de que a morte de Jesus é mentira, aqui no livro é bem clara, e escrita de uma forma interessante. Porém o final  achamos um pouco incompleto em relação aos discípulos e Jesus.

Devemos lembrar que o livro nos mostra um homem comum, que foi interpretado como o 'salvador', por simplesmente querer mostrar para todos que ter esperança, amar e respeitar o próximo, é algo urgente e primordial.

Este livro apesar de mostrar todos os fatos bem humanos de Jesus, não impactou tanto quanto o livro de José Saramago, 'O Evangelho Segundo Jesus Cristo'.


Esta leitura faz parte do Projeto Desencalha!
Até mais!
Nice Sestari

8 comentários:

  1. Interessante compartilhamento. Ótima leitura parece ser! beijos, chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Chica! Foi uma leitura bem interessante e muitas vezes nos tirou da zona de conforto. Bjs! Nice

      Excluir
  2. Oi Nice! A história de Jesus é mesmo interessante politicamente falando, o possível lado "divino" faz com que as pessoas ao longo do tempo não gostem de ver este lado progressista, certamente hoje seria um esquerdopata comunista e continuaria a não ser ouvido. Amam Jesus, mas não agem como ele ensinou.
    Muito interessante, adorei! Abraço e boa semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Dalva, você falou tudo! Muito de fala de Jesus, mas poucos vivem seus ensinamentos. Bjs!

      Excluir
  3. Que texto bíblico maravilhoso, o bonito de tudo isso é que Jesus decidiu espontaneamente morrer para seus filhos salvar . Vale mesmo lembrar, amar e respeitar é dever de todos cristão, sem amor não há paz nem salvação.

    bjss!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Diná! Verdade amor e respeito transforma o mundo! Bjs! Nice

      Excluir
  4. Oi Nice muitas pessoas leem muitos livros, mas nunca leram a bíblia, o que deve ser o caso do autor do livro, pelo que você expôs, porque não li o livro dele, ele escreve aquilo que os ateus dizem, procuram desconstruir a fé, como se tivessem algo melhor para colocar no lugar de Deus, mas observe Nice o mais interessante, o escritor tenta desconstruir Jesus, mas vendeu livros, sobreviveu as custas desse Jesus que existiu a mais de 2000 anos, que ele disse que era um homem comum, se era assim, porque ele não escreveu um livro sobre o João ninguém?
    Muitos beijos,Vi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Vi! Como leitora o livro não me surpreendeu, como você disse se temos como base a Bíblia nada nos abala.Porém, se uma pessoa de pouco conhecimento da vida de Jesus ficará bem complicado ler este livro. Também me questiono... Se Jesus era tão comum, porque escrever sobre Ele? Vou te contar, depois que li a obra de José Saramago - O Evangelho Segundo Jesus Cristo, acho que nada que venha a ler de Jesus me surpreenderá. Foi difícil digerir Saramago! Obrigada pela partilha! Bjs Nice

      Excluir