quarta-feira, 29 de abril de 2020

Uma longa caminhada até a água

Oiiii, pessoal!! Tudo bem?

Hoje vou falar para vocês de um livro com uma história muito bonita, "Uma longa caminhada até a água", escrita por Linda Sua Park.

O livro nos conta 2 histórias: a de Nya, que começa em 2008, e de Salva, que começa em 1985. As duas se passam no Sul do Sudão.

Salva tinha 11 anos quando presenciou a guerra muito de perto e precisou iniciar uma longa jornada para conseguir se manter vivo, mas longe de sua família. A narrativa mostra toda a trajetória do menino que não desistiu, pois sempre pensava em sua família e, por isso, conseguiu vencer cada dia de dificuldade.

Nya morava em uma aldeia e, todos os dias, caminhava até um lago para buscar água. Mas o trajeto só bom na ida, pois na volta o peso da água fazia com que a longa estrada ficasse mais comprida. Quando o lago secava, nos tempos de seca, sua família ia para outro lugar, para ficarem mais próximos de onde havia água. Mas, a seca também diminuía o volume de água. 

Bem, ficamos pensando, ao longo da história, como estes dois personagens se encontram, já que cada um vive em uma época diferente. Como a história é baseada em uma história real, é bonito de ver como a força de vontade de Salva pôde fazê-lo chegar onde nunca imaginou. E a mudança de vida de Nya também é algo que nos dá mais esperança no coração.

O livro possui uma leitura fluida, leve. A autora faz comentários no final do livro, em que nos conta como escreveu e alguns detalhes muito interessantes.

Deixo, então, essa sugestão de leitura.

Por Ale Veras

sábado, 25 de abril de 2020

Adalgisa Nery


Retrato Adalgisa Nery, por Cândido Portinari, 1937

Anseio

Quero que desça sobre mim a grande sombra que alivia,
Aquela que arranca do meu coração a revolta que me impede de ser mansa.
Quero descansar...
Quero encontrar aquele que é mais belo que o sol,
Que aumenta o meu sofrimento e que ajuda na minha redenção,
Que reparte suas angústias comigo para que lhe sirva de auxílio.
Quero ouvir a sua voz que é como a música dos mares,
Quero acolher-me na sua sombra e abraçar-me aos seus joelhos...
Quero descansar sem demora...
Quero chegar o tempo da minha última lágrima
ser recolhida dos meus olhos pisados e saudosos.
Por aquele que é o molde dos poetas, o que se veste com as estrelas que meus olhos
ainda não vêem.


                              - Adalgisa Nery, in: Dom Casmurro, Rio de Janeiro, 19 ago. 1937, p. 2.

quarta-feira, 22 de abril de 2020

# 18 Presente Literário



Maya Angelou
1928 - 2014

Foi  cozinheira, condutora de bondes, poetiza, escritora, atriz, cantora e bailarina, teve uma vida cheia de altos e baixos, sofreu violência na infância, que a fez ter um mutismo patológico, por 5 anos. Foi neste período que ela desenvolveu uma memória extraordinária, aprendeu a escutar o mundo ao seu redor, o amor pelos livros e pela literatura.

Defensora dos direitos civis e da igualdade, produziu obras consideradas uma defesa da cultura negra.

Conheceu celebridades tanto do campo politico como artístico, ganhou vários prêmios.

Algumas de suas obras em português:








domingo, 19 de abril de 2020

A menina que queria salvar os livros #4/200...

Olá! Tudo bem?
Vou contar para vocês um pouquinho de uma história que eu e a Nice lemos. 

"Anna é uma menina que adora ler. Um dia ela descobre que livros da biblioteca estão sendo destruídos porque as pessoas não se interessam mais por eles. Mas e agora?! 

O que será que acontece com todos os personagens que vivem dentro desses livros? Anna vai fazer de tudo para salvá-los. Uma história encantadora, poética e mágica sobre o nosso amor pelos livros."

A história já chama a atenção por ser um livro que fala de livros e ele também traz um questionamento da pequena Anna que, com 10 anos de idade, tem medo de crescer. Quem nunca teve medo daquilo que não conhece ou sentiu uma certa ansiedade porque está crescendo? 

Anna tem muita amizade com a bibliotecária, a Srta. Monsen, e, quando descobre que livros são destruídos por não serem lidos, ela decide ler tudo o que pode. Mas, claro, ela não dá conta, pois são muitos livros. Até que a bibliotecária oferece um livro que, aos olhos de Anna, está faltando uma página.

Para descobrir sobre isso, ela mobiliza a escola, o bairro, a cidade, enfim, todo mundo para descobrir o verdadeiro final deste livro.

Não vou contar o final, para não dar spoiler. Mas posso dizer que, mesmo sendo um livro infanto, ele nos diz tanto. Além de ter ilustrações belíssimas, a história nos faz refletir sobre nossos medos, inseguranças e o amor pelos livros.

Quem escreveu foi o autor norueguês Klaus Hagerup, que também é autor de "A biblioteca mágica de Bibbi Bokken" escrito em conjunto com Jostein Gaarder (O mundo de Sofia).

Esta leitura faz parte do Projeto O Mundo em Livros, veja mais detalhes clicando aqui.

Você já conhecia esta história? Diz para nós...

Por Ale Veras

quinta-feira, 16 de abril de 2020

Studio Ghibli

Olá, pessoal! Tudo bem? Espero que sim!!

Logo do Studio Ghibli
Em tempos de isolamento social, em que nossa prioridade é se cuidar e cuidar dos outros, acabamos descobrindo várias coisas novas. E uma das descobertas que fiz nestes tempos foram as animações do Studio Ghibli.

Você o conhece também? Já assistiu a animação que ganhou o Oscar, "A viagem de Chihiro"?

Pois bem... Em 2003, o Studio teve um reconhecimento mundial conquistando o Oscar de Melhor Animação, além de ganhar o Urso de Ouro em 2002 e diversos outros prêmios por esta grande obra.

Já sabemos que eles ganharam prêmios, mas de onde eles são, do que vivem, o que fazem...rs.


"O Studio Ghibli é um estúdio de animação japonês, sediado em Koganei, Tóquio. Fundado em 1985, o estúdio já produziu mais de 20 longas, sendo o primeiro O Castelo no Céu (1986) e o mais recente As Memórias de Marnie (2014)." (Studio Ghibli Brasil)


A viagem de Chihiro
Segundo o site brasileiro, que é organizado e alimentado por fãs do Studio no país, os responsáveis pela criação da empresa de animação tinham a ideia de fazer animações de boa qualidade, mas os prazos neste universo da animação são curtos, o que não permitia tanto detalhamento. Por isso, resolveram criar algo que atendesse aos seus ideais de criação.

É claro que, com o sucesso de suas produções, tiveram que fazer algumas mudanças, como a contratação de funcionários fixos, a construção de novo espaço para trabalharem etc. Diante disso, sua política foi definida como os "3As: Alto custo, alto risco e alto retorno". 

Importante lembrar que, apesar de sermos leigos neste assunto e nesta área, podemos imaginar que há um gasto muito grande com esse tipo de produção, pois inclui marketing, salários de funcionários, edição, distribuição, equipamentos etc.

Mas o que eu quero dizer com tudo isso? 

As memórias de Marnie
É que são animações primorosas! A Netflix disponibilizou algumas animações do Studio Ghibli no catálogo, então, aproveitem para conhecer suas produções. A fotografia é linda, as histórias nos trazem muitas lições... ainda não consegui assistir todos, mas acho que a leveza das histórias e das imagens trazem um sentimento bom neste momento de incertezas pelo qual passamos.

No site do Studio Ghibli Brasil, você pode ler mais informações sobre suas produções, além de notícias recentes.

Ah, todas as imagens que aparecem nesta postagem, são da Studio Ghibli Brasil.

E este, é o link do site oficial: http://www.ghibli.jp/ (é em japonês)

Se você assistiu ou tem algo para comentar, deixe um recadinho! Vamos ficar muito felizes com sua participação aqui!

Se cuidem!
Fique em casa, se você pode!
Abraços!

Por Ale Veras

quarta-feira, 8 de abril de 2020

Machado de Assis - Conto # 7

Olá Viajantes Machadianos!

 O conto 'Frei Simão',  encerra os Contos Fluminenses!

Atenção: Contém Spoiler!


Machado nos coloca numa situação de perplexidade já no inicio do conto. Frei Simão, antes de morrer, diz para o Abade, superior do convento: "Morro odiando a humanidade".

Frei Simão era um sacerdote da Ordem Beneditino, morreu aos 38 anos, com um semblante de 50 anos. Viveu seus últimos 5 anos na clausura, saindo apenas para comer e orar. Era muito fechado e desconfiado, muitos o apelidaram de Urso.

Os fraternos se perguntavam, qual a razão do Frei Simão ser daquele jeito? 

Após todas as honras merecidas, o Abade fez o inventário dos objetos do finado... "e entre eles achou-se um rolo de papéis convenientemente enlaçados, com este rótulo: "Memórias que há de escrever frei Simão de Santa Águeda, frade beneditino".

O caro Frei foi um jovem de família de comerciantes bem sucedidos, filho prestativo e obediente. Além dele e dos pais, uma prima órfã morava com a família, chamava-se Helena.

Helena era uma moça bonita, educada e meiga. Por essa razão chamou a atenção do jovem Simão. Se apaixonaram e pretendiam se casar.

Quando os pais de Simão souberam desse amor, logo resolveram dar o fim nesta loucura. O pai de Simão usou o seu poder de pai e, como filho submisso que era, Simão silenciou e acata as ordens do pai. 

Afastados e com o coração partido, Simão espera ansioso a ordem do pai, de voltar para casa e reatar o namoro com Helena.


"Entretanto, como o espírito dos amantes não é menos engenhoso que o dos romancistas, Simão e Helena acharam um meio de se escreverem, e deste modo podiam consolar-se da ausência, com presença das letras e do papel."


Passado algum tempo, Simão recebe uma carta dizendo que Helena veio a falecer e, por este motivo, o filho deve voltar, e até quem sabe fazer um bom casamento com uma moça da sociedade.

Mas, por essa seus pais não esperavam! Simão resolve ir para o convento, ele estaria vivo de corpo e morto de alma, fez dos muros do convento sua lápide.

Certa vez, Frei Simão foi obrigado a visitar a província natal, para trabalhos eclesiásticos. Antes fez uma visita breve aos seus pais, do qual os encontrou visivelmente mudados, tanto na aparência, quanto moralmente.

E lá se foi Frei Simão para uma vila no interior, pregar a Palavra. Quando estava no púlpito fazendo seu sermão, um casal entra... e logo se ouve um grito! A recém chegada desmaia, e ao ver quem era, Frei Simão começa a falar desconexamente e toda a assembleia fica consternada.

Demorou alguns dias para que o Frei voltasse ao normal. 

Sim, caros amigos, a tal moça era Helena! Esta veio a falecer, dois meses depois, deixando o marido inconsolável e Simão em pura alienação.



Após a morte de frei Simão, o Abade recebe no convento um senhor secular, para passar seus últimos dias na cela que fora de seu filho. Para acalentar o que restara de sua alma sofrida, perdera a esposa e também seu amado filho, Simão. Sim, o pai de Simão morreu doido e lastimando a própria sorte, afinal ele foi tremendamente egoísta.

Machado de Assis, nos apresenta o domínio da família patriarcal da época, o jogo de interesses e a resignação da personagem masculina, sendo que na maioria acontece com as mulheres. E neste conto é Simão que tem sua voz silenciada pelas artimanhas paternas.

Percebe-se uma crítica em relação ao celibato, da forma como Simão vai para a clausura, não é por vocação. Já Helena, foi imposta sua condição de mulher, em que o próprio tutor escolhe seu futuro, obrigando-a a se casar com um homem que não amava.

Este conto faz parte do Projeto Machado de Assis, saiba mais aqui!

Boas Leituras!


Nice Sestari

quarta-feira, 1 de abril de 2020

Machado de Assis - Conto # 6

Olá Viajantes Machadianos!

O conto 'Linha Reta e Linha Curva', pertence ao livro Contos Fluminenses! Vamos para mais uma aventura Machadiana!

Atenção: Não contém spoiler!


Neste conto, Machado de Assis nos apresenta o casal Ernesto Azevedo e Adelaide, que estão há três meses casados e felizes.

O jovem casal recebe a visita inesperada de Tito,  amigo de infância de Ernesto. E acaba por hospedar-se ali mesmo, por insistência de Ernesto.

Tito é um rapaz alegre, cativante, de boa prosa, um solteirão convicto e que deixa todos curiosos por saber, qual a razão de não querer viver as experiências do amor.

Como o casal sempre recebe amigos em sua casa, a visita da jovem viúva Emília chama atenção de Tito, e assim começa um jogo de sedução.

Emília não vem sozinha, junto com ela vem seu admirador e enamorado Diogo, já na casa dos 50 anos.

Em certo momento, a conversa pende para o desinteresse de Tito pelo amor. Ele mesmo diz que tal sentimento existe, mas não tem vocação para tal. Até dá várias razões para não conseguir essa façanha, diz que não é bonito, que é desprovido de curiosidade e paciência, que todo amante deveria ter.

Todos ficam intrigados com a fala de Tito, Emília conta a Adelaide, que deseja pregar uma peça em Tito, fazendo com que ele se apaixone por ela, assim como no passado ela "vingará" as mulheres e conseguirá contradizer o discurso do rapaz.

Tito em determinado momento conta para Adelaide e Ernesto, o verdadeiro motivo de não querer amar. No passado se apaixonou por uma bela mulher, da qual o rejeitou com tamanha frieza e, desde então, prometeu a si mesmo nunca mais amar.

Emília põe seu plano em ação, porém desperta ciúmes no seu enamorado admirador. 

Diogo, desolado de ver sua amada interessada em outro, vai até a casa de Adelaide e conta da sua dor e desespero. Adelaide, com pena do amigo, acaba por contar a verdade, dizendo que tudo não passava de uma armação. Feliz da vida Diogo retorna para casa, confiante que em breve conquistará o coração de sua amada.

Mas, o  que a amiga de Adelaide não esperava era realmente ser apaixonar por Tito. Nessas manobras que Emília se propôs, ela mesma acaba por sofrer as consequências. Porém, essa história tem tudo para acabar bem, ou quem sabe... não! Emília resolve viajar e Diogo irá em breve encontra-la, mas o coração fala mais alto, e a amiga de Adelaide resolve tomar uma atitude inesperada.

E por fim Tito revela quem foi a mulher que conquistou e machucou seu coração!

Neste conto, o autor deixa claro o ponto central da história que é o Amor. Vemos também traços da elite carioca através de Ernesto, que é um homem afortunado, tem um bom emprego e muito feliz com sua esposa Adelaide.  Desta vez não vemos a mulher idealizada, mas sim o homem como o centro do mundo, seus pensamentos racionais e a presença da verdade individual.

Nos vemos em breve com o conto Frei Simão!


Este conto faz parte do Projeto Machado de Assis, saiba mais aqui!


Boas Leituras!
Nice Sestari