quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Os Románov #1

Olá Viajantes!

"Os Románov foram a mais bem-sucedida dinastia dos tempos modernos, governando um sexto da superfície da Terra. Como uma família transformou um principado arruinado pela guerra num dos maiores impérios do mundo? E como eles perderam tudo?"
Brasão da Dinastia Románov

Hoje vamos concluir a primeira etapa da nossa Leitura compartilhada dos Románov, que foi da página 19 à 153.

Já de inicio a leitura cativa, a narrativa é fluida, porém são tantos personagens com nomes iguais e complicados que as vezes nos confundia.

O autor vai nos situando e com maestria nos apresenta não só Os Románov, mas outros personagens importantes para entendermos a história desta família ímpar.

A trajetória dos Románov é comparada com os Césares, no Império Romano, assim como a ascensão, o apogeu e o declínio. E, acredito que na crueldade também!

A história começa com Ivan, o Terrível, eternizado por sua violência. E já no prólogo o autor nos apresenta o primeiro e o que seria o último czar: Miguel e Alexei Románov!


"Dois adolescentes, ambos frágeis, inocentes e convalescentes, abrem e fecham a história da dinastia. Na condição de herdeiros de uma família política, os dois estavam destinados a governar a Rússia como autocratas e cresceram em tempos de revolução, guerra e massacres."
Alexei Nikolaevich Romanov
Para manter a sobrevivência, o imperador tinha que ter o apoio do Exército, da Nobreza e da Administração. O povo via o czar como um 'Pai' escolhido por Deus. A base desta sociedade era a servidão.

Neste ambiente hoje um general era o melhor amigo do Czar, amanhã este mesmo general era morto cruelmente por um pequeno deslize. A corrupção rolava solta, traições, jogos de interesse, mentiras, infidelidade, orgias e momentos bizarros.

Havia um exótico costume moscovita, o 'Desfile de noivas', em que o Imperador escolheria sua futura esposa. E já adianto, quando uma moça era escolhida,  sua vida e da sua família,  mudaria completamente. Usava-se de muita manipulação para colocar no trono aquela que poderia servir aos interesses de alguns nobres. Muitas até mesmo antes de oficializar o casamento eram envenenadas ou simplesmente sumiam do mapa.

"Os Románov habitam um mundo de rivalidades familiares, ambições imperiais fascínio sinistro, excessos sexuais, sadismo e depravações; é um mundo em  que desconhecidos obscuros de repente se afirmam monarcas mortos renascidos, noivas são envenenadas, pais torturam seus filhos até a morte, filhos matam pais, ... gigantes e aberrações são colecionados, anões são arremessados, cabeças decapitadas são beijadas, línguas são extraídas, a pele é arrancada a chibatadas do corpo, ânus são empalados, crianças são massacradas; há ainda imperatrizes ninfomaníacas ... lésbicas envolvidas em ménages à tróis ..."

Deixar aqui o nome de cada czar  tornaria essa leitura cansativa, porém vale destacar Pedro, o Grande e sua segunda esposa Catarina I, esses dois tem muita história para contar!

Porém ficará para nosso próximo encontro! Saiba mais sobre nossa Leitura coletiva aqui!

Até breve!
Nice Sestari

segunda-feira, 16 de setembro de 2019

Marca-página Jane Austen

Olá Viajantes!

Todo leitor ama um marca-página, não é mesmo? 

Hoje trago para vocês uma pequena coleção que fiz algum tempinho. 

O tema escolhido foi Jane Austen! 

Essa autora nos inspira sempre!❤


O material usado foi folha de Scrapbook, imagens retiradas da Net, fitas e papel rendado.
 Ficou um charme!


Pena que pela foto não dá para ver, mas tem relevo em todos eles.


Lógico que o Sr. Darcy não poderia faltar!


Este é o meu preferido!


E vocês gostam dessas pequenas fofuras?

Veja as obras de Jane Austen aqui e aqui !

by Nice Sestari

quinta-feira, 5 de setembro de 2019

Os Románov 1613-1918

Olá Caros Viajantes!

Venho convidá-los a participar da Leitura Coletiva, junto com o Blog Mais Uma Página - Michelly Santos. 

Só hoje obtive autorização para postar aqui, porém isso não nos impede de ler e participar.
Venha conosco conhecer um pouco sobre 'Os Románov'! Abaixo deixo a proposta da Michelly.

E caso fique na dúvida passe lá no Blog Mais Uma Página e veja o vídeo, explicando tudinho!

"Leitura da obra Os Románov, escrita pelo jornalista e historiador britânico, Simon Sebag Montefiore. O livro narra a longa trajetória da dinastia Románov na Rússia, desde sua ascensão  ao poder, em 1613, até 1918, depois que foram dizimados durante a Revolução Russa.
Início: 1º de setembro de 2019
Final:   16 de outubro de 2019
1º vídeo: 11/09
  • Introdução
  • Fontes e agradecimentos
  • Nota
  • Ato 1  
* Da pág. 19 até a pág. 153    Nossas impressões
2º vídeo: 18/09
  • Ato 2: O Apogeu
  • Ato 2: cenas 1, 2 e 3
* Da pág. 155 até a pág. 272   Leitura concluída, em breve nossas impressões
3º vídeo: 25/09
  • Ato 2: cenas 4, 5 e 6
* Da pág. 273 até a pág. 429
4º vídeo: 02/10
  • Ato 3: O Declínio
  • Ato 3: cenas 1 e 2
* Da pág. 431 até a pág. 572
5º vídeo: 09/10
  • Ato 3: cenas 3 e 4
* Da pág. 573 até a pág. 696
6º vídeo: 16/10
  • Ato 3: cenas 5, 6 e 7
  • Epílogo
* Da pág. 697 até a pág. 813"
                                                        Boa Leitura!
 Nice Sestari

segunda-feira, 2 de setembro de 2019

Diná Fernandes

Olá Caros Viajantes!


Se olharmos com zelo e cuidado, encontraremos belas palavras e muito carinho dedicado, por este mundo de meu Deus.

Assim como a Primavera nos presenteia com lindas flores e seus perfumes, a vida se encarrega também de nos presentear. 

Hoje nosso presente é o blog da Diná Fernandes, repleto de magia, poesia e de doçura! 

Compartilho com vocês uma de suas poesias. Lembrando que é com a devida autorização.
O coração se alegra com esses presentinhos!

     Viver ou não de aparências

   

Será que é viável e sensório,
transmitir aos olhos alheios
impressões mascaradas de
felicidade aparente?

Quem assim vive,
esconde a limpidez dos fatos,
mente pra si e pra todos.
A suposta felicidade é tragada
pela ilusão,
enfeita a’lma com pobres alegorias.

Há nos olhares atentos
a lupa invisível capaz de ler
com precisão o nosso interior.

Ser autêntico é ser capaz de ir ao espelho,
reconhecer-se, encarar os reflexos, rasgar a máscara,
vestir a capa da realidade, afagar a’lma, afastar a ilusão,
e possivelmente ser feliz... Creio!
A falsa aparência não coaduna com a verdade!

Diná Fernandes

sábado, 31 de agosto de 2019

Menino de Engenho

Olá Caros Viajantes!

Mais uma viagem pelo Projeto Lendo Brasil, desta vez foi para a Paraíba com José Lins do Rego.


Este foi o primeiro livro do autor, publicado em 1932. Obra aclamada pela crítica que recebeu o Prêmio da Fundação Graça Aranha.

O ponto central da história é Carlinhos que narra sua vida de traumas, aprendizado e malandragem. Ele tinha 4 anos quando seu pai matou  dona Clarice, sua mãe meiga e amorosa. Seu pai era apaixonado pela esposa,  atencioso com o filho, após a tragédia foi internado num hospício.

Aí a vida de Carlinhos muda radicalmente: seu tio Juca o leva para o engenho, para mais perto da família materna. Sua tia Maria o recebe com alegria e passa a cuidar dele com grande esmero.

José Paulino, seu avô e dono do engenho Santa Rosa, logo tem carinho pelo menino. Homem severo, porém justo, Carlinhos tem grande admiração por ele.

Depois da morte de sua mãe, o menino se torna triste e melancólico, mas com a novidade do engenho e com a aproximação de seus familiares, tudo vai dando um novo colorido a vida desse molecote. Ele vai conhecer a rotina do engenho com seus costumes bem diferentes da cidade e suas tradições, o que faz com que ele se sinta encantado pelo lugar e pelas pessoas. Junto com a família e vizinhos, passa pelas enchentes e secas do lugar, situações bem difíceis.

Seu primeiro amor é a prima Maria Clara, de quem ganha seu primeiro beijo, mas este romance logo termina com a volta dela para cidade. Ele fica desolado e se sente muito solitário. 

Como tem asma, sua zelosa tia Maria o proíbe de tomar banho no rio, ficar até tarde com as crianças, ou até mesmo tomar chuva. Ele se sente preso e inquieto. Tem muito medo de morrer por causa da doença. Além disso, descobre o que aconteceu com seu pai e começa a temer ficar louco como ele.

Aos 12 anos, Carlinhos começa a 'virar homem'. Tem seu primeiro relacionamento com a negra Zefá Cajá, que passa para ele uma doença sexual. Nesta fase, é zombado por todos e percebe que nasceu para a maldade; tem fama de libertino, um perdido sem religião. Porém sempre se sentia solitário.

Seu avô resolve mandá-lo para um internato, para que ele tome jeito. Saudoso, parte para uma nova etapa, mas não esquece os momentos maravilhosos da sua infância no engenho.

Uma das personagens que mais chamou minha atenção, era Totonha, uma senhora que carregava na bagagem várias histórias, que as crianças adoravam.

"...e toda engelhada, tão leve que uma ventania poderia carregá-la, andava léguas e léguas a pé, de engenho a engenho, como uma edição viva da Mil e Uma Noites. Que talento ela possuía para contar as suas histórias com um jeito admirável de falar em nome de todos os personagens! Sem nem um dente na boca, e com uma voz que dava todos os tons às palavras."

"A velha Totonha era uma grande artista para dramatizar. Ela subia e descia ao sublime sem forçar as situações, como a coisa mais natural deste mundo. Tinha uma memória prodígio. Recitava contos inteiros em versos, intercalando de vez em quando pedaços de prosa, como notas explicativas."

Esta obra tem muito mais do que escrevi. Leia, releia, depois nos conte!

Boas Leituras!

Nice Sestari


quinta-feira, 29 de agosto de 2019

Sobrevivi para contar

Olá Caros Viajantes!

Esta leitura foi um aprendizado e tanto! Viajei para Ruanda e conheci Immaculée Ilibagiza, uma sobrevivente do maior genocídio da história.



Immaculée nos leva para conhecer sua família e a vida que eles levavam antes do genocídio (1994). 

"Meus pais eram ambos professores e acreditavam firmemente em uma boa educação como única defesa contra a pobreza e a fome... foram os primeiros de suas famílias a obter um diploma de segundo grau e estavam decididos a fazer com que seus filhos fossem além." pg 24

Tudo vira de ponta cabeça, os que eram amigos se tornam inimigos, vizinhos se agridem de forma brutal, um holocausto surge por conflitos entre tútsis e hútus, as principais etnias do país.

Aos 22 anos, Immaculée não imaginava que ficaria longe de sua família, passaria confinada por três meses num minúsculo banheiro dividido com outras moças, passando por todo tormento físico e psicológico. E, do lado de fora, ouvindo vozes conhecidas que queriam matá-la a qualquer preço.

"Encontrei um cantinho do banheiro que podia chamar de meu: um cantinho dentro do meu coração... Era meu jardim secreto, onde falava com Deus, meditava sobre Suas palavras e cultivava meu eu espiritual." Pg 114

Até mesmo quem se propôs a ajudar, por vezes, demonstrava repúdio. O desespero batia a porta todo instante. 

Porém, Immaculée não perdia a fé.

"Aprendi, entretanto, que Deus jamais nos revela o que ainda não estamos prontos para entender, revela-nos aquilo que precisamos nos seja revelado, e quando chega a hora certa. Espera que nossos olhos e corações se tenham aberto para Ele..."

Uma história marcada pela fé e esperança, preconceito e maldade, ganância e poder, porém o que sobra são marcas profundas de ambos os lados. E o perdão é fundamental para seguir em frente.

Boa Leitura e até breve!
Nice Sestari

Conheça nosso Baú de Projetos !







terça-feira, 27 de agosto de 2019

A Paixão pelos Livros

Olá Caros Viajantes!

Esta leitura foi maravilhosa, rápida e marcante! Somos convidados por vários escritores à conhecer suas histórias de forma delicada e apaixonante.

Super recomendo!!!!!


" CONTOS, CRÔNICAS e depoimentos de quem achou no livro seu paraíso particular e na leitura uma forma de abstrair-se das dores do mundo para nele encontrar algum sentido.

Alguns exemplos singulares de manifestações de amor aos livros, testemunhos dos prazeres escondidos nas bibliotecas, casos de paixão bibliômana.

O livro atravessou séculos de guerra e perseguição e saiu fortalecido. Nesta época de temores e incertezas, o livro e a cultura são as armas para manter os valores básicos do homem sempre acima dos conflitos de credo e de economia.

Nesta antologia, autores de diversas épocas e diversas origens, através de histórias, verídicas ou não, retratam uma História do mundo. Uma História do mundo com livros e pelos livros."

Boa Leitura!

Nice Sestari