quarta-feira, 20 de maio de 2015

O que é Leitura?

Você já parou pra pensar, o que é leitura? 

Bom alguns poderiam pesquisar e dizer:

- A palavra deriva do Latim "lectura", originalmente com o significado de "eleição, escolha, leitura";
- é um substantivo feminino; 
- ação ou efeito de ler;
- ato de apreender o conteúdo de um texto escrito;
- a leitura estimula a imaginação;
- a leitura enriquece o vocabulário.
Isso mesmo.
Mas, é só isso mesmo?

Escolhemos este livro para esclarecer de forma sucinta essa questão.

Logo de início a autora nos questiona: “Bastará porém decifrar palavras para acontecer a leitura?”

Cá com nossos botões, acreditamos que vá além!

Segundo a autora vai além das palavras. Tudo o que nos cerca poderá ser lido, imagem, som, situações cotidianas, objetos. E para isto não é necessário ser alfabetizado.

“[...] a leitura do mundo precede sempre a leitura da palavra e a leitura desta implica a continuidade da leitura daquele”. (Paulo Freire, pg.10)

A leitura já acontece desde o nascimento, as sensações, os sons, cheiros e superfícies. Um processo natural.

A autora cita a obra de Edgar Rice Burroughs – Tarzan - “Assim numa ‘tarefa extraordinária’, aprendeu a ler ‘sem possuir a menor noção das letras, nem da linguagem escrita, sem mesmo saber essas coisas existiam’.” “Que este aprendizado não seja imaginação do autor”. (pg. 14)

E a obra de Sartre, em seu relato autobiográfico. Tanto um quanto outro indicam “que o conhecimento da língua não é suficiente para a leitura se efetivar”. (pg. 17)

Quando se percebe que a leitura vai além de um texto, que começa antes do contato com o mesmo, quando se acrescenta experiências de leitura, o leitor passa a ter mais autonomia, deixa de ser mero decodificador para ler o mundo de outra forma.

“Em face disso, aprender a ler significa também aprender a ler o mundo, dar sentido a ele e a nós próprios, o que, mal ou bem, fazemos mesmo sem ser ensinados”. (pg. 34)

A autora divide a leitura em três níveis básicos:

- Leitura sensorial: “A visão, o tato, a audição, o olfato e o gosto podem ser apontados como referenciais mais elementares do ato de ler”. (pg.40)

Essa parte me fez lembrar de muitos de nós, leitores, que antes mesmo de ler, já nos apropriamos da leitura de fato. Após ler abaixo veja se não se identificou.

“Antes de ser um texto escrito, um livro é um objeto; tem forma, cor, textura, volume, cheiro. Pode-se até ouvi-lo se folhearmos suas páginas. Para muitos adultos e especialmente crianças não alfabetizados essa é a leitura que conta”. (pg. 42)

- Leitura emocional: Como já nos fica claro, lida com sentimento, que nos escapa ao controle. Quantos de nós nos pegamos lendo no metrô, em uma praça e termos uma explosão de raiva, choro e risos, diante da situação a qual a personagem passa.

“Na leitura emocional emerge a empatia, tendência de sentir o que se sentiria caso estivéssemos na situação e circunstância experimentadas por outro, isto é, na pele de outra pessoa, [...] Caracteriza-se, pois, um processo de participação afetiva numa realidade alheia, fora de nós [...]” (pg. 52)

- Leitura racional: Tem um caráter mais de observação, indagação e dialético, é a leitura dominante. 

“[...] muito difundido dessa concepção intelectual liga-se ao fato de, em princípio, ela limitar a noção de leitura ao texto escrito, pressupondo educação formal e certo grau de cultura ou mesmo erudição do leitor”. (pg.64)

O livro não mostra nenhuma fórmula mágica. O leitor tem que criar condições para a leitura, sentir prazer em ler, trocar informações com outros leitores, ousar na sua leitura de mundo.

“A leitura, mais cedo ou mais tarde, sempre acontece, desde que se queira realmente ler.” (pg.87)

E para querer ler mais a autora, no último capítulo, indica outros títulos para leitura.

É isso pessoal, uma pequena contribuição. Ouse voos mais altos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário