quinta-feira, 24 de outubro de 2019

Os Románov # 6

Olá viajantes!
Chegamos ao final do livro Os Románov, de Simon Sebag Montefiore, vamos falar das páginas 697 à 813.


Nesta etapa vamos focar mais na vida familiar do czar Nicolau II. Caso queira saber mais sobre como ele se tornou imperador e sua postura política e o casamento com Alix veja aqui!

Nicolau II e Alexandra tiveram 4 meninas: Olga, Tatiana, Maria e Anastácia. Porém, o desejo que viesse um menino era grande, afinal o pequeno se tornaria o futuro czar da Rússia. Já Nicolau, a cada nascimento, ficava feliz, mas Alix se sentia frustada.


Depois do nascimento de Anastácia, o casal imperial foi apresentado ao curandeiro francês Monsieur Nizier Anthelme Philippe, que passou a ser o apoio para ambos. 

Alexis engravidara mais uma vez, mas Nizier pede para que ela não consulte os médicos. Assim ela o fez. E teve uma grande surpresa.



"Quando o médico chegou para o parto. Alexandra finalmente permitiu que ele a examinasse: ela não estava, nem estivera grávida. Seus sintomas de gravidez eram o resultado dos poderes de sugestão de Philippe ou uma "gravidez molar", o desenvolvimento de um óvulo não viável que faz o útero crescer como numa gravidez."

Muitos da família começaram a se incomodar com a presença do tal curandeiro e resolveram afastá-lo do casal imperial, assim ocorreu, e tempo depois ele veio a falecer. Sem antes deixar um recado para a imperatriz: " Um dia vocês terão outro amigo como eu, que lhes falará de Deus."

Na vida da família Románov entra em cena Grigóri Raspútin, considerado um místico e autoproclamado 'santo', torna-se uma figura muito influente tanto dentro da família do czar quanto na política.

Neste período nasce Alexei, o filho tão desejado. Porém o pequeno Alexei sofria de hemofilia, e somente Raspútin conseguia acalmar o menino em suas crises e também das esterias de sua mãe, Alix. Assim, cada vez mais Raspútin se infiltrava na corte e a família tinha forte devoção pelo curandeiro.

A intimidade era tanta, que começou a surgir boatos que a czarina estava tendo um caso com Raspútin. Mas Nicolau não deu ouvidos aos mexericos e muitos familiares foram excluídos do convívio com o casal imperial.

Pra muitos, Raspútin não passava de um charlatão e  aproveitador que vivia na luxuria. Para outros, ele era um visionário e profeta. 

"Raspútin era um showman nato, como qualquer pregador evangélico. Podia não ter traquejo social, mas era impelido por uma ambição sem limites, um arguto senso do fluxo do poder e uma percepção instintiva da psicologia das cortes - dons mundanos ... O fato é que, com o passar dos anos, ele assumiu o papel de consigliere pessoal, religioso e político, ao mesmo tempo que não parava de fomentar seu poder, com ameaças e dissimulação, gabando-se de suas ligações nas altas-rodas, exibindo as cartas  que recebia da tsarina, acumulando subornos para exercer sua força e sua influência, e seduzindo algumas mulheres e até estuprando outras."

Depois de algum tempo Raspútin foi convidado a se retirar do palácio, mas não durou muito sua ausência. Alexei ficou muito doente e Alix apela para do místico. Alexei melhora e de imediato ela pede para Raspútin voltar ao convívio da família. Era uma dependência sem fim que a czarina tinha com este profeta.

"Durante e a noite recebi um telegrama" diz a czarina ... 'Deus viu suas lágrimas e suas orações', ele tinha escrito. 'O menino não vai morrer.' A febre de Alexei caiu... Fosse aquilo um milagre, o resultado da tranquilização da mãe ou o fato de a crise ter chegado ao clímax, Raspútin era indispensável."

Raspútin era odiado pelo povo e pelos nobres, com isso sua morte era certa. Ele escapou de várias tentativas, mas uma trama bem realizada deu cabo do místico. 

A Revolução Russa chegava cada vez mais ao seu ápice, mas no palácio tudo corria na mais santa paz. Enquanto o povo padecia de fome e frio, a família imperial desfrutava de regalias.

A Rússia estava um caos e cada vez mais Nicolau II era pressionado, não conseguindo mais se sustentar no trono se vê obrigado a abdicar.

"Tomei a decisão de abdicar, disse Nicolau - mas não deixarei o trono a Alexei. Cheguei a conclusão de que, à luz de sua doença, devo abdicar em meu nome e, ao mesmo tempo, no dele, pois não posso me separar dele."

O terceiro irmão de Nicolau se torna o imperador. Miguel se torna czar por um dia, pois também abdica do trono.

Neste meio tempo Lenin retorna do exílio na Suíça, faz um acordo com o governo alemão. É recebido na Rússia como um herói. Liderados por ele, soldados, trabalhadores tentam tomar o poder.

Nicolau e sua família foram detidos e levados pelos bolcheviques para fazer um suposto julgamento. Mas a família foi confinada e não imaginavam qual seria o seu futuro.


Dizem que por ordem de Lenin a família foi fuzilada, junto com fiéis serviçais e o médico da família. Seus restos mortais foram jogados num poço, dois corpos foram jogados numa cova rasa e borrifados com ácido sulfúrico. Não só a família imperial foi dizimada, familiares e parentes também foram fuzilados. "Dezoito Románov haviam sido mortos pelos bolcheviques".


Após anos, os corpos foram achados e identificados por DNA, com honras de Estado foram sepultados na Capela Santa Catarina da Catedral de Pedro e Paulo em São Petersburgo.





"Em 2000 Nicolau e sua família foram canonizados. Foi o encerramento de um capítulo, segundo o príncipe Miguel. Mas não o fim da história."




Caros viajantes, não relatamos com detalhe o fuzilamento da família, apesar de conhecer o ocorrido, foi muito triste ler, o coração se entristeceu.

Há muitos fatos e personagens nesta história, mas o texto ficaria longo e cansativo, por isso escolhemos apenas alguns registros. Recomendamos a leitura deste livro!

Para saber mais sobre Os Románov  veja aqui!

Obrigada por nos acompanhar nesta leitura coletiva!


Nice Sestari

Um comentário:

  1. Bom dia Ipsis;

    Uma comovente história que termina com a destruição da família, tocou fundo mesmo no meu coração.Gosto do seu jeito especial de narrar, muito bom!
    Tenha um feliz dia.
    Bjs

    ResponderExcluir